Jardim dos Mestres

A Espiritualidade Materialista da Atualidade

Atualmente, várias religiões, ordens, seitas pregam uma promessa de prosperidade, que assegura felicidade, bem-estar e prazeres. Porém, não pode haver prosperidade, e muito menos felicidade, enquanto as pessoas não se transformarem interna e radicalmente.

Algumas pregam uma idéia de que, se concentrarmos a mente em um determinado objetivo, teremos sucesso em alcançá-lo.

Jesus disse claramente: “Onde estiver seu tesouro, lá estará também seu coração” (Mt 6:21). E ainda: “Se alguém quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me” (Mt 6:24).

Se seguirmos o que estas religiões, ordens, seitas pregam, estaremos fazendo o contrário de tudo que as grandes e genuínas religiões pregam. Estaremos fazendo o contrário do que todos os Mestres, Iluminados e Avatares ensinaram.

Estamos negando a Cristo e aumentando mais ainda o que temos por aqui: nossos lastros, nossos apegos, nossas paixões.

Precisamos perguntar-nos o porquê colocamos toda nossa vontade em um carro, um emprego, uma casa, um amor, desviando-a da evolução espiritual genuína. Não fazemos práticas que nos elevem, não renunciamos a nada, não nos desapegamos de nada.

Precisamos analisar com sinceridade e honestidade o que estamos fazendo pela nossa evolução, o que estamos semeando para nosso futuro.

Os textos sagrados ensinam que os desejos, os apegos aos prazeres são as causas de todos os nossos sofrimentos. Portanto, parece haver algo de errado à nossa volta, pois muitos espiritualistas da atualidade defendem a busca do prazer, ensinam que o sentido da vida está no prazer.

Cheios de falsas idéias de prosperidade, felicidade e prazer, buscamos o bem-estar nas coisas materiais. Acreditamos que precisamos conquistar as coisas do mundo material para sermos felizes. Não conseguimos perceber nossa ganância, inveja, arrogância, ilusão.

Buscamos prazeres, divertimentos, diversões; tentativas fúteis para nos livrarmos das misérias da vida e chamamos falsamente de felicidade a cessação temporária dessas misérias. (cf. Srimad Bhagavatam 1:2:6)

O camelo come cactos, pois gosta de sentir o sabor do sangue misturado ao da planta espinhosa. Ele não percebe que está se ferindo e que isso lhe faz mal.(cf. Srimad Bhagavatam 1:2:3) E assim somos nós, na busca de prazeres e diversões, causamos dor e sofrimento para nós mesmos, tal qual o camelo.

As grandes religiões ensinam sobre a importância de ter poucas necessidades, ensinam a satisfação (aceitação, contentamento, gratidão), o isolamento, o não estar enredado (não estar apegado, fascinado, não ter lastros), o esforço, a virtude, a concentração, a sabedoria, a libertação.

É nestas grandes religiões, trazidas por Budas, Cristos, Profetas e Avatares, que devemos buscar a doutrina e as práticas para semearmos nossa alma com novos valores, idéias, concepções, para podermos transformar-nos e viver uma espiritualidade prática, concreta, nos fatos da vida.


1   Respostas em A Espiritualidade Materialista da Atualidade

  1. Renan disse:

    Olá, eu não entendi a seguinte passagem: “Onde estiver seu tesouro, lá estará também seu coração”, o que ela significa?

Deixe sua mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *