Jardim dos Mestres

A Questão das Emoções

Existem as emoções agradáveis ou desagradáveis, positivas ou negativas. Emoções agradáveis são, por exemplo, alegria, esperança, fé, compaixão, gratidão, confiança, contentamento, êxtase. Emoções desagradáveis são, por exemplo, mágoa, ressentimento, raiva e irritação, ciúme, inveja, medo, preocupação.

As emoções negativas não são naturais. Imaginação, fantasia, fascinação e identificação distorcem os instintos e dessa forma, o instinto de sobrevivência torna-se medo e preocupação, o instinto sexual torna-se ciúme, o instinto de autodefesa torna-se raiva.

As verdadeiras ou genuínas emoções positivas não se alteram. Emoções positivas não tornam-se negativas. A genuína felicidade não se transforma em tristeza e nem o amor verdadeiro se transforma em ódio. Acreditamos que temos emoções positivas quando em verdade não as temos. Estas emoções exigem elevados estados de consciência.

Emoções agradáveis podem tornar-se desagradáveis ao menor estímulo externo, à menor provocação. Uma pessoa pode estar feliz num instante e tornar-se triste no seguinte, pode estar amando num momento e no momento seguinte estar odiando.

O amor que se transforma em ódio é um amor maculado pelo apego, pelo desejo, pelo sentimento de posse. A felicidade que se transforma em tristeza é condicionada e, assim, quando a condição se vai, a felicidade se vai junto.

Acreditamos que podemos nos orientar pelas emoções negativas e cremos que elas são fonte de prazer e servem como dispositivos de defesa.

A vida de muitos de nós está completamente baseada em emoções negativas, pois falamos constantemente de nossos sofrimentos, nos engrandecemos por suportar grandes sofrimentos, nos vangloriamos de nossas tragédias. Não queremos renunciar à nossos sofrimentos.

Por ignorância e falta de autoconhecimento, acreditamos que dominamos nossas emoções negativas e as manifestamos quando queremos, porém, ao menor estímulo externo ou provocação nos alteramos. Em meio a um grupo ou multidão podemos fazer coisas que em outras circunstâncias não faríamos.

Na infância, aprendemos as emoções negativas imitando os adultos e as crianças mais velhas. Depois, estas emoções são mantidas e sustentadas pelo que lemos, assistimos, ouvimos, por novelas, jogos, revistas. As emoções negativas não fazem parte de nós, apenas as aprendemos e, por causa da constante repetição, acreditamos que elas são nossa realidade.

As emoções negativas dependem da imaginação mecânica e da identificação, elas são inúteis e desnecessárias, só nos trazem dor e sofrimento e somos nós mesmos que as geramos e sustentamos, por acreditarmos que fazem parte de nós. Mas as emoções negativas não fazem parte de nós, não são uma realidade imutável e podem ser eliminadas sem prejuízo algum.

As estratégias de venda estão baseadas na manipulação de emoções e sentimentos, na pressão, no despertar do desejo nos outros, no trabalhar com a sensação de levar vantagem ou com o medo de perder uma oportunidade, na exploração de carências e necessidades de aceitação. Tudo isso faz com que muitas pessoas comprem o que não querem, o que não precisam ou não podem. Alguns logo se sentem enganados. Outros tentam se convencer de que foi realmente bom. A maioria realmente acredita que foi bom, que foi esperto, que aproveitou uma oportunidade, que levou vantagem.

A transformação externa é reflexo da transformação interna. O trabalho de eliminação de tais emoções é um trabalho árduo. Enquanto não as eliminarmos, continuaremos a ser vítimas das situações e poderemos facilmente ser manipulados.

A purificação do coração, a eliminação das emoções negativas, só é possível através de práticas místicas, de orações cheias de emoções elevadas.


12 de fevereiro de 2013

0   Respostas em A Questão das Emoções

Deixe sua mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *