Jardim dos Mestres

A Experiência da Santa Pobreza

Santa Teresa chegou a Toledo em Março de 1569, para a fundação de mosteiro de Descalças. Estava acompanhada apenas das mais novinhas, Isabel de São Paulo e Isabel de São Domingos, que se tornaria a mais enérgica das prioresas.

Com o dinheiro que a esposa do mordomo de uma mulher nobre havia emprestado, puderam comprar a casa. Assim, levaram para lá tudo o que tinham: algumas imagens e enxergões. Passaram a noite limpando e preparando tudo e no dia seguinte a campainha anunciou a primeira missa.

Um rapaz passando na rua olhou para dentro da capela e disse: “Bendito seja Deus! Está tudo tão lindo!”. Para Teresa, aquelas palavra valeram todo o trabalho para fundar o mosteiro do Glorioso São José.

Neste dia, tudo o que as três tinham para comer eram algumas sardinhas cruas, mas a providência divina disponibilizou alguma lenha e elas puderam assar os peixes. Teresa sentia-se em Duruelo e dava graças a Deus, regozijava-se com a santa pobreza e suas filhas também, estavam tendo a experiência da graça de Deus.

Certo dia, Teresa sentiu frio e pediu mais uma manta para suas filhas, que lhe disseram: “Madre, já estás com todas as mantas da casa!”  e riram todas.

Mas a alegria durou pouco, começaram a receber de tudo. Teresa viu suas filhas ficarem desconsoladas e ao tentar reconfortá-las ouviu delas: “Que havemos nós de ter, Madre, senão a mágoa de já não sermos pobres?”

Depois desta experiência Teresa disse: “Desde então cresceu em mim o desejo de pobreza e a minha dignidade elevou-se muito acima dos bens materiais. Quando eles faltam crescem os bens interiores; e não há dúvidas que nos saciam melhor, que nos trazem muito maior quietude.”


0   Respostas em A Experiência da Santa Pobreza

Deixe sua mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *